Benefícios e mais valias da existência de Hortas comunitárias






Organização Comunitária
• Hortas comunitárias contribuem aumentar o sentido de propriedade dos património publico da comunidade.
• Hortas comunitárias fomentam o desenvolvimento de um espírito e identidade da comunidade.
• Hortas comunitárias unem as pessoas de uma grande variedade de origens (idade, raça, cultura, classe social).
• Hortas comunitárias contribuem para criar líderes comunitários.
• Hortas comunitárias oferecem um ponto central para a organização da comunidade, e pode levar a esforços concertados da comunidade para lidar com outras preocupações sociais.

Prevenção do Crime
• As hortas comunitárias fornecem oportunidades de conhecer os vizinhos.
• Hortas comunitárias fomentam o surgimento de associações de bairro.
• Hortas comunitárias aumentar os olhos na rua.
• Agricultura e jardinagem de grupo são reconhecidas pelos muitos departamentos de polícia como uma eficaz estratégia de prevenção do crime.


Oportunidades Culturais
 Produzir culturas tradicionais que estariam indisponíveis localmente.Aproveitar a experiência dos mais velhos para produzir uma quantidade significativa de alimentos para  casa,
Fornecem partilha e vivencia inter-geracional de tradições culturais,
• Oferecem um intercâmbio cultural com outros horticultores
• Proporcionam mais conhecimento e envolvimento sobre clubes do bairro, os grupos de vizinhança, e informações da comunidade.
• Hortas comunitárias permitem que pessoas de diversas origens trabalhem lado a lado em objetivos comuns, sem falar a mesma língua.


Juventude
Hortas comunitárias oferecem oportunidades únicas para ensinar os jovens sobre:
• De onde vem o alimento 
• Prática de habilidades matemáticas
• Princípios básicos de negócios
• A importância da comunidade e administração
• As questões de sustentabilidade ambiental
• Capacidade de trabalho e de vida
• É uma atividade saudável e de baixo custo para os jovens que pode aproximá-los à natureza, e permitir que interajam uns com os outros de uma forma socialmente significativa e fisicamente produtiva.

Produção de Alimentos
• Muitos participantes, especialmente os mais idosos ou de comunidades de imigrantes, mais desfavorecidos, podem beneficiar da produção de alimentos nas hortas comunitárias para fornecer uma fonte significativa de alimentos e / ou renda.
• Hortas comunitárias permitem que as famílias e indivíduos sem terra tenham a sua oportunidade própria para produzir alimentos.
• Hortas comunitárias fornecem acesso a alimentos nutricionalmente ricos que podem de outra forma não estar disponíveis para famílias de baixo rendimento ou pessoas com limitação física.
• A agricultura urbana é 3-5 vezes mais produtiva por hectare do que a agricultura em larga escala tradicional!
• Hortas comunitárias  produzem milhares de quilos de produtos frescos para distribuição de alimentos e envolvem as pessoas em processos que proporcionam segurança alimentar e alivio da fome.


Saúde
• Estudos demonstraram que os hortelões das hortas urbanas e os seus filhos comem dietas mais saudáveis ​​do que os que não o façam.
• Comer alimentos produzidos localmente reduz as taxas de asma, porque as crianças são capazes de consumir quantidades regulares de pólen locais que os induz a desenvolver imunidades.
• A exposição a espaços verdes reduz o stress e aumenta a sensação de bem-estar e de pertença.
• Aumentar o consumo de produtos frescos locais é uma das melhores formas de lidar com envenenamento por chumbo na infância.
• Os benefícios da terapia de Horticultura podem ser e são usados para grande vantagem em hortas comunitárias.


Espaço verde
• Hortas comunitárias acrescentam beleza para a comunidade e aumentam a consciência e apreço das pessoas  por coisas vivas.
• Hortas comunitárias filtram e regulam as águas da chuva, ajudando a manter lagos, rios, águas subterrâneas limpas e diminuem o risco de enchente.
• Hortas comunitárias repõem o oxigénio do ar e ajudam a reduzir a poluição do ar.
• As hortas comunitárias são pontos de reciclagem de grandes volumes de  folhas, aparas de relva e outros resíduos orgânicos que irão voltar ao solo, reduzindo custos no tratamento de resíduos urbanos.
• As hortas comunitárias proporcionam um espaço e oportunidade para refugio  do barulho e agitação dos ambientes urbanos.
• As hortas comunitárias fornecem o tão necessário espaço verde em bairros de baixos rendimento, que normalmente têm menor acesso ao  verde do que as outras partes da comunidade.
• Desenvolvimento e manutenção de espaço do jardim é menos caro do que o de um parque, poupando muito dinheiro ás entidades públicas locais.
• Os estudos científicos mostram que o crime diminui em bairros na justa medida que aumenta a quantidade de espaço verde.
• 

Floresta de Alimentos em permacultura

A floresta de alimentos em permacultura é um sistema de produção que utiliza a sabedoria inerente e milenar das florestas naturais pela nossa compreensão das relações benéficas que existem entre plantas e também outros organismos vivos, para criar e alimentar ecossistemas que cultivam alimentos para uso humano. Este método também é chamado floresta comestível, e jardins de design completo. Nos trópicos, as florestas de alimentos têm sido utilizados há mais de 1.000 anos. 

Como funcionam?

Estes sistemas estão sobretudo assentes nas práticas de "policultura" contrariando as convencionais de produção em monocultura. Policultura resulta e baseia-se dinâmica da auto-organização de comunidades de plantas compostas de várias espécies. Nesta abordagem, as plantas são cultivadas em grupos, que apoiam uns aos outros através de várias funções diferentes. Guilds são um grupo de plantas e animais se relacionam em equilíbrio e harmonia e que também são benéficas para os seres humanos em simultâneo, criando habitat e alimentos para nós e muitos outros seres vivos.

Para perceber o conceito de uma floresta de alimentos, vamos analisar os tipos de relações que podem coexistir na relação com uma única árvore. Por exemplo, por baixo de uma macieira pde-se plantar trevo da pérsia e vermelho para ajudar a fixar o nitrogênio, que vai actuar como um reservatório dinâmico de nutrientes, torna-os disponíveis para outras plantas. Cravos tunicos, erva ciderira, alho e cebola podem ser cultivados nos espaços para repelir pragas indesejáveis ​​e controlar ervas na base da árvore. Todos trabalham em harmonia para beneficiar o outro, e  no final, a macieira beneficia com todos.

Embora nem todas as plantas sejam directamente comestíveis por seres humanos, todas podem ter algum tipo de efeito benéfico (atrair polinizadoresd, medicinais, tintureiras etc) e principalmnet, funcionam em conjunto para enriquecer  e regular os ciclos da natureza para criar uma saudável  paisagem florestal, produtora de alimentos em permacultura.

Razões para fazer esta opção?

Os benefícios da criação de uma floresta de alimentos permacultura são muitos! A mais óbvia pode ser que, se devidamente planejado, uma floresta de alimentos em permacultura praticamente produz e mantém-se fertil e saudavel sem grande intervenção. ao criar-se, também se cria um habitat para a fauna selvagem local, que faz controle de pragas, polinização e oportunidades de observação da vida selvagem. As florestas de alimentos em permacultura não requerem fertilizantes químicos ou pesticidas, pelo que produzem alimentos muito mais saudáveis

Os benefícios podem incluir outros produtos tais como fibras, combustíveis, adubos verdes, materiais para artesanato, alimento para animais domésticos e pode ajudar a reduzir o consumo de água no na quinta.

A sua terra é um reflexo da sua visão do mundo. Esta abordagem mais harmoniosa para alimentar as pessoas também fornece alimento para a terra pois permite que  para conseguir um meio de mais independência do mais destrutivo modernos métodos agrícolas, enquanto ao mesmo tempo, proporciona uma relação mais directa e profunda na compreensão da interdependência que é necessário para suportar toda a vida natural à superfície da terra, em que tudo está ligado de alguma forma.

Como se constitui uma floresta de alimentos em Permacultura?

 Embora todos os tipos relações e dinâmicas que acontecem na floresta de alimentos sejam diferentes, há certas partes e padrões que são encontrados e comuns a todos eles. Estes são baseados em observações de relações naturais encontrados dentro da floresta e dos sistemas florestais. Para começar, a maioria dos habitats da floresta têm algumas das seguintes estruturas que funcionam em diferentes níveis: 
  • um estrato formado por árvores de grande porte, 
  • um estrato de árvore de pequeno porte e grandes arbustos, 
  • um estrato de pequeno arbusto, 
  • um estrato herbáceo, 
  • uma estrato de solo fértil com muita matéria orgânica em decomposição
  • muitas vezes algum tipo de e plantas trepadeiras que crescem verticalmente.
Estas plantas não só crescem em diferentes níveis acima do solo, mas também têm raízes que atingem diferentes profundidades e, portanto, não só minimizam a concorrência, mas também ajudam-se mutuamente a nutrir entre si.



Há muitas combinações de plantas que poderiam ser usados ​​para criar uma floresta de alimentos. 
Para o Estrato superior,  pode-se plantar árvores frutíferas, como maçãs, pêras, pêssegos ou produtores de frutos secos, como nozes, avelãs, castanhas, amêndoas. Entre estas podem crescer variedades de árvores pequenas de frutas como ameixas, nectarinas, maçãs e cerejas. Em seguida, entre estas ultimas podem ser plantados arbustos como avelã, amora, framboesa, groselha, physalis, kiwi, medronho e uvas. 

 Para cobertura geral do solo usam-se trevos vermelho e branco, tremoço, feijão frade, grão de bico, favas e morangos. Como para plantas trepadeiras plantam-se ervilhas, feijões e outros que irão enrolar nos troncos das árvores.

Plantas como o alho, a cebolinha, narcisos, jacintos e cravos tunicos plantam-se em torno da base da árvore para suprimir a erva e repelir pragas em potencial. Milefólio, chicória, consolda, são todos os acumuladores grande dinâmica para ajudar o crescimento das plantas e árvores ao seu redor. Trevos, as ervilhas, feijão, tremoço e outros membros da família das leguminosas fixadoras de nitrogênio são óptimas, tornando o azoto existente no ar e no solo acessível às árvores e plantas ao redor. Plantas, tais como alcachofras, consolda e bardana são muito boa cobertura de solos e acontece terem igualmente partes comestíveis. è igualmente importante considerar também arbustos  e pequenas árvores fixadoras de nitrogênio, como a alfarrobeira, crataegus e várias espécies de eleagnus, que produzem frutos comestíveis em simultâneo.

Como começar?
Para começar deve primeiro observar muito bem as condições no local que deseja criar uma floresta de alimentos. Pergunte-se:
  • O que já existe?
  • Que tipo de solo temos? Qual é o pH?
  • Que tipo de plantas se adaptam bem ao clima, geografia e solos existentes?
  • Que tipo de árvores e plantas gostaria de ter na floresta de alimentos permacultura?
  • Qual a exposição solar em diferentes períodos do dia e durante diferentes estações do ano?
  • Quais as áreas disponíveis ?
  • Existem áreas mais húmidas e mais sombrias no local? O que poderia crescer melhor lá?
  • Existem áreas mais ensolaradas e secas no local? O que poderia crescer melhor lá?
  • Se plantar uma árvore alta aqui, vai ensombrar outras plantas que precisam de muito sol?
Caso todas estas questões sejam demasiado complexas ou inacessíveis para si, talvez seja melhor nesta fase inicial contactar um facilitador em Permacultura que ajude nesta primeira abordagem e lhe ensine como encaminhar o processo

Dez maneiras de introduzir fauna selvagem no Jardim




·


  • Escolha plantas que são mais atractivas para a fauna nativa, por exemplo, as aves são atraídas para plantas produtoras de bagas no inverno, como cotoneasters, azevinho, pyracantha, espinheiro, madressilva, hera, e girassóis.
  • · Permitir que algumas plantas herbáceas produzam sementes para fornecer alimentos de Inverno a pássaros comedores de sementes. Cápsulas e inflorescências de sementes também têm um bónus estético, como interesse de inverno no jardim.
  • · Procurar alternativas para venenos para lesmas e caracóis, pesticidas ou reduzir o uso de herbicidas, fungicidas e inseticidas - use métodos biológicos de controle. Muitos inseticidas matam espécies benéficas, bem como as consideradas prejudiciais.
  • · Use alimentadores de pássaros com protecção de gatos.
  • · Fornecer caixas de nidificação para as aves e até morcegos. Caixas ninho são excelentes substitutos para os buracos em árvores velhas. Em muitos jardins, pode haver muita comida, mas nenhum lugar para nidificar.
  • · Plantas Perenes com flores de amplas cabeças para incentivar as abelhas no jardim durante o verão. Evite muitas flores duplas Pétalas dobradas) que podem impedir os insectos de aceder ao néctar.
  • · Evitar o uso de herbicidas por monda manual, aplicação de cobertura, usando tela geo-têxtil de controle de ervas e sobretudo, opções de composições vegetais em que ervas não sejam incompatíveis.
  • · Têm uma característica da água - até mesmo uma simples taça pode incentivar sapos e outros animais selvagens que se alimentam de insectos e caramujos. Libélulas, muitas vezes, raça neles, e muitas aves podem usá-los para beber e banhar-se dentro Se você tem espaço para uma lagoa site, em uma posição ensolarada e garantir os lados são levemente inclinadas, por isso as aves podem beber e se banhar, os anfíbios podem desova e ouriços podem escapar se eles caírem dentro
  • · Manter uma pilha de toras em um canto tranquilo do jardim para servir de abrigo para insectos e mamíferos - se você tiver sorte um ouriço ou o sapo pode encontrar uma casa lá e alimentam-se de todas as suas lesmas e caracóis.
  • · Um feixe de caules ocos em um local tranquilo que tem sol da manhã, pode ser uma casa de abelhas solitárias pedreiro.





Algumas plantas para utilizar


· Viburnum tinus Folhado - flores de inverno brancas, que se transformam em grandes cachos de bagas azuis no Verão, proporcionando uma boa fonte de alimento para as aves
· Cynara cardunculus Alcachofra - Este cardo é uma planta perene grande, com as suas cabeças esféricas de flor azul. As flores atraem abelhas e borboletas, e os pássaros comem as sementes
· Buddleja davidii, Boudeleia- Boa fonte de néctar para borboletas
· Lonicera periclenum, Madresilva - Oferece néctar para as borboletas e mariposas, que atrai com o seu perfume noturno. Os pássaros também comem as sementes
· Calendula officinalis, Calêndula - Néctar rico e também bom para consociações beneficas com outras plantas
· Primula vulgaris, primaveras - As flores da primavera são uma fonte de néctar cedo na primavera, enquanto as folhas servem de alimento para as larvas de borboletas e aves comem as sementes
· Hedera helix, hera - fornece abrigo para pássaros, néctar no inverno e frutos na primavera. Excelente revestimento de paredes
· Arbustus unedo, Medronheiro. Boa fonte de néctar para insectos no Outono e excelente produtor de frutos muito apreciados por aves, insectos e inclusive mamíferos e répteis. Muito ornamental.
· Crataegus Monogyna, Pilriteiro: Muita produção de néctar para insectos na primavera. Grande produção de bagas muito apreciadas por aves e mamíferos. Muito ornamental


Conferência Biodiversidade em ambiente urbano

Recentemente, no dia 23 de Novembro, estive nesta conferência que apresento em anexo e que bastante interessante foi por um lado pela qualidade das apresentações, por outro por acontecer ali uma série de tomadas de posição e Assunção de estratégias e objectivos por entidades competentes (Câmara de Lisboa, sobretudo) que muito me agradaram como estratégias viáveis no sentido de aumentar ou incentivar  (assim como sensibilizar) para a biodiversidade no meio urbano (e de igual modo no meio rural). quanto a mim e embora comentada a relevância dos logradouros e quintais particulares com elementos fundamentais em corredores verdes, elementos de fixação e alimento e abrigo de espécies, ficou por identificar que tipo de iniciativas poderiam ser tidas para fomentar e incentivar mais proprietários a adoptar uma vertente de espaços para a biodiversidade.
Na minha opinião e como já é iniciativa em Inglaterra e no município de Montpellier em França, um sistema de certificação e prémio aos jardins para biodiversidade poderia eventualmente ser uma iniciativa simples e possível de ter alguns resultados. Fica no ar a questão e desafio
Aqui está o link para as comunicações e apresentações resultantes da conferência que estão disponíveis em áudio  ou pdf


Comunicações da conferência Biodiversidade em ambiente urbano
Local: Museu da Electricidade - Fundação EDP (Av. de Brasília, Lisboa) 
Objectivos: Reflectir sobre a implementação de uma Estratégia para a Promoção da Biodiversidade em Ambiente Urbano; promover um debate multidisciplinar e criar novas sinergias para a definição de estratégias intermunicipais para a Biodiversidade; apresentar e divulgar o trabalho realizado no âmbito do Projecto Biodiversidade Lisboa 2020.
Destinatários: Especialistas, empresários, técnicos, decisores políticos, membros da administração pública, estudantes e outros participantes interessados na área da Biodiversidade e Ambiente Urbano.


Esta comunicação a mim pareceu-me particularmente interessante, tanto pelas iniciativas, conceito, postura e experiências já efectuadas


Oliver Hillel
Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica (Montreal, Canadá)
Comunicações de Oliver Hillel



Brochura: Cities and biodiversity outlook

A polinização - Fenómeno da Natureza

O agricultor por um lado parece enfrentar uma variedade quase desconcertante de problemas: o custo da terra reduziu a quantidade de espaço disponível para a jardinagem ao mínimo; novas variedades de plantas, muitas vezes híbridas para a produção máxima, são caras e requerem uma quantidade substancial de conhecimento para o sucesso do cultivo, e muitas vezes o uso indiscriminado de insecticidas e herbicidas tem reprimido a população de insectos benéficos, aparentemente sem fazer grandes progressos com a horda de pragas que retornam para assombrar o jardim.   

No entanto os jardins e hortas ainda florescem em cada canto e recanto da terra por causa da qualidade e bom gosto proporcionados pelas frutas e legumes de auto-produção, mas a economia de pequenas hortas familiares estão aqui para ficar. É seguro supor que para estas pessoas o factor trabalho é de amor, mais do que económico, dado livremente em troca do sabor de da produção própria de frutas e legumes que não têm rival em qualquer produto comercialmente cultivado. 

Através do uso de coberturas e irrigação, possível com um pequeno pedaço de chão, até mesmo o tempo e trabalho duro dedicado pode ser controlado e reduzido. A Permacultura e suas abordagens e soluções, tentam reduzir os custos dos factores de risco nos quais, a polinização, é factor fundamental a ter em conta.

A FLOR   

A planta com flores cresce e se as condições forem favoráveis, produz um rebento, que, por sua vez, torna-se uma flor. A flor murcha e o fruto desenvolve-se. Um dos mais fascinantes e vitais fenomenos naturais tem inicio. Os ciclos de fertilização, resultando na reprodução, O cultivo bem sucedido , especialmente aquelas cultivadas em uma área limitada, como o pomar de casa, jardim ou horta, depende do desenvolvimento de um grande número de frutos bem formados. O bom desenvolvimento destes frutos depende da polinização e a polinização depende da flor.   

No mundo das plantas existem três tipos básicos de flores. Flores masculinas têm apenas orgãos masculinos e produzem pólen. Flores femininas têm apenas orgãos femininos e produzem frutos. Flores perfeitas ou completas têm ambas as partes masculina e feminina e produzem tanto pólen e frutos. Para que o fruto se desenvolva, o pólen produzido pela parte masculina da flor deve ser transferida para a parte da flor feminina. Esta transferência é chamado polinização. 

A POLINIZAÇÃO

Polinização é a transferência de grãos de pólen do sexo masculino para o estigma feminino em flores da mesma espécie. Esta transferência é realizada principalmente por animais viajando ao redor das flores de pólen carregando o pólen  agarrado aos seus corpos. Quando o pólen de uma planta é depositado sobre uma planta da mesma espécie, a fertilização ocorre e as frutas, nozes, semente irão se formar.


Moscas, besouros, borboletas e outros animais oferecem uma proporcionalmente pequena quantidade de polinização de flores, no entanto, é a população de abelhas que realiza a maior taxa de polinização!Isto é em grande parte por causa dos pelos especialmente modificados que as abelhas têm em seus corpos. Estes pêlos estão no tórax da abelha e parecem-se notavelmente com penas pequenas. Os grãos de pólen "colam-se" nestes cabelos quando uma abelha visita uma flor para extrair o néctar ou recolher pólen das anteras. Como as abelhas voam permanentemente de flor em flor, o pólen sai dos pêlos do seu corpo quando acontece a fricção com a superfície pegajosa do estigma.



Quando polinizada, uma flor fertilizada irá produzir uma geração de frutos contendo sementes férteis, com capacidade de dar origem a novas plantas. Se não ocorre a polinização, a planta vai perdendo a capacidade de reproduzir e as flores irão murchar, sem produzir frutos. Baixos níveis de polinização podem resultar numa diminuição do rendimento, mais lenta maturação, menores frutas, e um aumento das doenças. Se a polinização deixar de ocorrer, eventualmente, todas as plantas e as criaturas que eles suportam desapareceria (incluindo em grande medida, nós próprios). Isso é o quão importante é a polinização!

Agora só como nota final, tente pensar duas vezes da próxima vez que pensar em esmagar uma abelha, escaravelho, ou insecto de modo geral, ou reequacione quando pensar que os insectos são horríveis e não servem para nada. 
Seguramente não existiríamos sem eles. Ou sem qualquer outro grupo biológico, pois todos estamos ligado e em estreita inter-dependência. Queiramos ou não, estejamos conscientes disso ou não. Assim é...



Aqui está um outro link que apresenta muitos outros insectos benéficos, quer para a polinização de um modo geral, quer para a agricultura por serem predadores de pragas agrícolas

Os ultimos 100 anos na perspectiva de um homem de 94.

O que mudou em 100 anos? Nada... Ou será que algo mudou? Alguns mudamos  e temos vontade de mudar o mundo á medida qua nós mudamos.

O desaparecimento das abelhas - Crónica de um mal maior


Imagine meio milhão de adultos andando de cidade em cidade e deixando os seus filhos para trás. O mistério da  apicultura conhecido como "Colony Collapse Disorder"  (Colapso de desordem da colónia) exibe muito estes sintomas. Não só as abelhas abandonam a colméia, mas a rainha e os filhotes também. Antinatural. Inédito.Mesmo os predadores que normalmente invadem a colmeia para o roubar o mel ficam longe.No início, esta ocorrência soa como uma lenda urbana ou um conto exagerado.Exceto que ele não é. A situação é ao mesmo tempo terrível e muito real. As abelhas estão desaparecendo em todo o planeta e ninguém sabe porquê.Desde os primórdios da sociedade humana, a natureza e origem da abelha tem despertado a curiosidade e o interesse do homem. 
Durante os últimos cinco milhões de anos, esse inseto peludo tem sido uma criatura de estatuto especial, e que representa muitas coisas, como a alma humana, a indústria, a cooperação e o sagrado feminino. A nossa relação com as abelhas também denota a forma mais antiga da agricultura. Petróglifos pré-históricos retratam mulheres na caça de mel e antigos agricultores egípcios transportaram colméias em jangadas pelo Nilo afim de polinizar as colheitas. E ainda hoje, vivemos num estado de desconexão. O consumidor médio não tem idéia de onde as coisas vêm originalmente, nem mesmo algo tão vital como a nossa comida. Pensam edibles vêem naturalmente embalados de uma prateleira e que as abelhas são apenas insetos que picam e que produzem o mel, quando na verdade estes polinizadores principais, são responsáveis ​​por um terço da comida que comemos, incluindo a maioria das frutas, legumes, nozes e mesmo de forragem utilizadas para alimentação do gado. Na América, isso equivale a cerca de US $ 18 bilhões em vendas anuais.Uma vez que esta investigação de quase um ano começou, milhares de apicultores de todo o mundo saíram do quintal identificaram o mesmo problema, com algumas perdas de relatórios de mais de 90 por cento das suas colônias. E não há abelhas mortas para serem encontradas. Estima-se que CCD resultou na morte de mais de um quarto dos 2,4 milhões de colônias de abelhas em pelo menos 35 estados em toda a América.Mais proximo e na Europa, e caso o aumento da taxa de mortalidade das abelhas na UE não for tido em conta, este terá um "impacto negativo profundo na agricultura, na produção e segurança alimentares", alerta um relatório hoje aprovado pelo Parlamento Europeu. O PE insta a Comissão a aumentar o apoio à investigação para a prevenção e controlo de doenças que vitimam as abelhas e a atribuir mais recursos à apicultura na PAC após 2013. Portugal é um dos países que regista condições ambientais e agrícolas favoráveis à apicultura.
Basicamente, este é mais um assunto que está a extremar-se mas que já vem dando os seus avisos há vários anos. Tal como o aquecimento, o envenenamento de aquiferos de água potável, a contaminação de peixes e agricultura. Os maus tratos, abuso de quimicos e fámacos na pecuaria. A camada de Ozono, A perda de biodiversidade etc, etcDos senhores do mundo (leia-se governos, federações, uniões e conclaves internacionais, instituições globais, organizações e delegações) pouco há a esperar, uns têm interesses directos, outros estão comprados, outros não se querem comprometer demasiado, etc. No entanto se há algo de positivo a notar actualmente, é que parece estar a surgir uma  nova força  (e quem sabe  ordem) mundial, em que as populações começam a ter informação suficiente para formar opiniões, ter poder, intervir ou de facto exigir.Essa é a esperança, essa será talvez a centelha que irá salvar a humaniudade de cair no abismo que tem vindo a abrir desde à 400 anos para cá...

Princípios de acção em Permacultura (Por Bill Mollinson)



Funções Múltiplas
Esta ideia consiste em assegurar que o que está incluído em um sistema tenha o maior número de funções possíveis Isto simplesmente aumenta a eficiência. Por exemplo, construindo um depósito em um jardim para armazenar ferramentas, pode-se usar o seu tecto para captação de água que irá para um tanque de armazenamento ou poderia servir de sustentação para plantas trepadeiras. Poderia servir como barreira de separação para diferentes partes do jardim e poderia esconder uma vista desagradável, entre outras funções.
Plantando-se árvores de sombras grandes, poderíamos escolher árvores como o Jacarandá ou o Angelim, essências florestais muito úteis mais leguminosas como o Ingá, árvore que tem vagens comestíveis.
Diversidade
A estabilidade dinâmica dos ecossistemas é a baseada na diversidade de espécies e nas múltiplas interacções existentes. Nossos planeamentos devem tratar de incorporar e construir a mais ampla variedade e diversidade possíveis. Grandes áreas de monocultivo são facilmente invadidas por pragas e ervas indesejáveis. Em um cultivo ou jardim com o maior número possível de espécies, nem as pragas, nem as ervas indesejáveis têm a oportunidade de criar um estado desiquilibrado o suficiente para causar danos.
Use variedades de plantas e espécies para criar uma rica rede de interacções e uma ecléctica mistura de associações entre todos os elementos do desenho.
Reciclagem de Energia
A energia que provêm do SOL e seu fluxo através dos ecossistemas é a base da vida em nosso PLANETA, segundo os princípios da Ecologia. Os organismos que mantém sua porção desta energia por maior tempo possível e que usam essa energia de forma mais eficiente são os que provavelmente irão sobreviver e prosperar.
Em termos de desenho, isto quer dizer que necessitamos criar ciclos de energia eficientes, densos e efectivos dentro de cada parte do sistema e em todas as partes possíveis.
Um bom exemplo de reciclagem de energia é a COMPOSTAGEM. A energia presente dentro dos desperdícios alimentícios, pastos podados e outros restos orgânicos, com a ajuda de bactérias e fungos podem ser outra vez convertidos em nutrientes que as plantas poderão reutilizar para produzir novos alimentos.
Padrões Naturais
Com um pouco de atenção, a observação de nossos sistemas naturais revelará padrões e planos complexos. Você não encontrará linhas rectas ou quadros perfeitos. Use os padrões da natureza como inspiração em seus trabalhos de desenho. Quando se fazem planos para uma propriedade, estamos impondo padrões sobre a paisagem. Trate de assegurar-se que os padrões que você selecciona sejam tão belos e funcionais como os que a natureza usa. Muitas ideias da Permacultura tem sido inspiradas em tais observações.
Localização Relativa
Cada árvore, cada planta, cada estrutura tenderá para uma área onde será especialmente benéfica. Plantar uma árvore de abacate em um lugar que está húmido e molhado provavelmente matará a árvore (as raízes apodrecem). Igualmente, não tem sentido plantar, como sistema de quebra-vento, uma planta quebradiça como, por exemplo, Acacia decurrens.
Este princípio requer que pensemos nas necessidades de cada elemento (botânica, horticultura, no caso das plantas) também que pensemos nas interacções que vão se suceder por causa da colocação deles. Por exemplo: é uma boa ideia plantar próximo de um tanque ou represa as árvores com alta necessidade de água (como bambus, nogueiras, entre outras).
Recursos Biológicos
A natureza é muito eficiente e tem desenvolvido métodos para manejar quase todas as funções. Sempre que seja possível, devemos usar sistemas naturais para fazer o trabalho. Por exemplo, podemos comprar materiais químicos feitos por seres humanos para combater problemas de pragas, ou podemos planear nosso sistema com patos e/ou galinhas permitindo-lhes que andem na horta (controlando sua permanência) e permitindo-lhes que comam os insectos e pragas em vez de fumigar com pesticidas. Mesmo porque algumas pragas podem desenvolver imunidade rapidamente contra os mais modernos e caros pesticidas, mas nenhuma praga pode desenvolver imunidade contra o ser comida por uma galinha.
Podemos escavar a terra para fazer um cultivo de hortaliça em um jardim, ou podemos alimentar a terra e assegurar que tenhamos uma grande população de minhocas as quais farão o trabalho de arejar a terra e o fazem melhor que uma enxada ou pá (é mais fácil para os músculos das costas, e para a coluna).
Planeando com os Declives
Devemos tirar vantagem da situação, como usar pendentes ou diferenças de altura, para fazer fluir a água e outros fluídos como ar frio para baixo. Colocando um grupo de tanques de armazenagem sobre o tecto da casa, poderemos regar a horta sem ter que comprar uma bomba. Sabendo que a água quente sobe, podemos construir um sistema de água quente que usa esta termodifusão, em vez de usar outra bomba.
Uso das Bordas
Em Ecologia se constata que as bordas(limites) entre diferentes ecossistemas sempre são mais produtivas do que cada ecossistema o é individualmente, posto que a área de borda pode manter espécies de dois ou mais ecossistemas como também espécies únicas em uma área de borda que represente a mescla dos ecossistemas vizinhos. Uma linha sinuosa (para quebra-vento, por exemplo) é mais larga que uma linha recta ainda que conectem os mesmos pontos – têm mais borda e esta linha pode ser plantada com mais espécies úteis – e em si é mais efectiva como quebra-vento. Existem vários estilos de bordas. Deve-se usá-las o máximo possível. O desenho de tanque em formato de roda cria uma boa borda água/jardim.
Zonas
O conceito de zonas trata do manejo(economia) de energia. Coloque mais próximo do centro de actividades as coisas que requerem muita atenção(energia) especialmente na forma de actividade humana. No geral isto quer dizer, próximo da residência.
Um jardim de cultivo de verduras e ervas como acelga para cortar frequentemente (que se visita na média de duas vezes ao dia) deve estar mais perto possível da porta ou área atrás da casa ou próximo da cozinha. Uma área de árvores cultivadas para uso da lenha pode estar localizada mais longe da casa.
Em muitos livros de permacultura, este conceito de Zonas se divide com designações de:Zona 1 – O jardim de cultivo e hortaliças, localizada perto da casa. Zona 2 – Horto, galinheiro, medianamente distante da casa. Zona 5 – Área de bosques silvestres ou de cultivo, bosque natural, área de caça e outros recursos, mais distanciada da casa.
O ponto importante aqui é que há vários níveis de intensidade no uso de energia no manejo do ambiente.
Múltiplos Elementos
Elementos múltiplos são como uma espécies de apólice de seguro. Se trata de pensar sobre as funções e serviços que se quer e encontrar todas as maneiras possíveis para realizá-las. Por exemplo, a água é sumamente importante para qualquer atividade humana, assim é que sua captação deve ser de grande prioridade.
A função de captação de água pode realizar-se com sistemas estabelecidos no tecto da casa (tanques de captação) que através de canos de descida chegam a seu destino ou por um sistema de Swales (escavações sobre as curvas de nível topográfico). Para extrair água da terra ela é bombeada de poços e/ou de rios. O tratamento de águas negras também é uma forma de colher(economizar) água.
Uma represa pode ser multifuncional porque pode conter peixes, pode conter plantas de ambiente aquático, pode ser usada como sitio de relaxamento e diversão, e também pode servir de protecção contra incêndios (por exemplo, se a represa é colocada no sector de incêndios sobre a principal direcção de ventos intensos e secos).
A represa pode ter um entre outros tantos elementos. Assim pode ser usada também na protecção contra incêndios – outros elementos para controlar incêndios podem ser montículos de terra, uma área de pastagem totalmente usada, uma estrada ampla, ou um plantio denso de vegetação resistente ao fogo, entre outros.
Sectores
Este trata do conceito diz respeito à energia que flui através de um sistema. Este fluxo ocorre geralmente a partir de direcções específicas. São estas direcções que definem os sectores. A cobertura dos construções devem levar em consideração estes dados. Por exemplo, em quase todas as áreas, a chuva normalmente vem com o vento de uma dada direcção, deste modo as instalações voltadas para esta direcção recebem chuva com mais frequência. Nos Andes (Peru e Chile), muita chuva cai até o mar desde as montanhas, mesmo que do outro lado a terra recebe muito menos chuva.
Uma estrada de muita actividade ao lado de uma propriedade pode criar um sector caracterizado pelo tráfego, ruído e contaminação por causa dos carros. Montículos de terra, bordas de terra e plantio densos colocados nos limites desta direcção ajudam a reduzir o impacto negativo.
Sucessão Natural
Os Sistemas Naturais constantemente estão em evolução e desenvolvimento até à maturação. Em nossos desenhos necessitamos planear para o futuro para permitir que esta expansão natural ocorra. Isto pode se levar a cabo simplesmente na maneira de plantar uma árvore frutífera para permitir espaço onde possa se desenvolver e crescer até ser uma árvore grande. Uma mangueira, por exemplo, pode tornar-se uma árvore grande, porém é muito pequena quando inicialmente plantada. No princípio a árvore se encontra muito sozinha, rodeada por muito espaço, porem através dos anos, ela utilizará esse mesmo espaço ao madurar como árvore frondosa e frutífera.
A tendência dos sistemas em evoluir através da sequência ervas, pioneiras e clímax pode ser explorada de outra maneira. Primeiro, podemos incluir plantas úteis em cada nível. Em vez de permitir que uma área seja coberta por ervas invasoras, geralmente de folhas grandes, podemos deliberadamente plantar ervas úteis ou fixadoras de nitrogénio como plantas de cobertura. Pioneiras podem ser plantas como a banana, o mamão, entre outras. Finalmente, o estrato clímax pode ser constituído por árvores de grande porte e frutíferas, ou óptimas para o aproveitamento da madeira, ou uma leguminosas também de grande porte como o jacarandá.
Também podemos ajudar o processo no sistema. Isto quer dizer que se plantam espécimes úteis para cada nível de sucessão, porem se plantam juntas, ao mesmo tempo. Plantando-as ao mesmo tempo, aceleramos o processo, reduzindo assim o tempo. Deste modo podemos plantar ao mesmo tempo, as plantas de cobertura (ervas), mamão (pioneiras) e manga (clímax). As plantas de cobertura se estabelecem rapidamente em seguida os mamões começam sua produção e, um pouco mais tarde termos a sombra das árvores de manga, entre outras, plenamente desenvolvidas.
Os sistemas naturais também têm diferentes níveis dentro do Clímax. Umas poucas leguminosas de vida curta, muitas árvores produtivas de estratos médios e altos, plantas de baixa altura que podem tolerar sombra, umas plantas de cobertura que apresentem ramadas e produzem sombra. Ao combinar plantas, estamos tratando de criar grupos – combinações de vegetais que funcionam juntos. Estas associações muitas vezes incluem uma árvore ou arbusto grande – uma leguminosa trepadeira (feijão etc.) e uma camada de cobertura sobre a terra (ervas ou verduras de poucos cuidados como pepino e cebolinha).